segunda-feira, 23 de abril de 2018

permaneça ou volte sempre!

vento no rosto
ergo a cabeça em direção ao céu

sentindo
em
cada
linha
da
minha
alma

respiro fundo pra sensação entrar
em
todos
os
cantos
do
meu
corpo

uma ponta, apenas

não-reconhecida há anos
agora, valorizada

d e l e i t e

me emociono
e choro

que saudade!
bem vinda de volta!
permaneça ou volte sempre!

quinta-feira, 19 de abril de 2018

um dia vai matar (Marceline)

ai, meu Deus
como não apaixonar?
pelo cheiro dela, pelo beijo dela
pelo jeito dela de me abraçar
ai, ai, meu Deus do céu
onde é que eu vou parar?
se eu só penso nela, nesses olhos dela
e a saudade dela um dia vai matar

(Ana Muller)

quarta-feira, 11 de abril de 2018

grandes peritos de merda nenhuma

apontado pra sua sensibilidade,
o dedo do julgamento

dedo que dispara verdades alheias absolutas
que pesa a cabeça e o coração

machuca

machuca o coração daquele que chora em silêncio

chora
chora
chora

chora cansado do (des)entendimento
cansado da crítica
da sentença alheia

[alheia à sua vida]

e nada
nada
nada

nada entende sobre seus princípios
suas premissas

sobre sua sensibilidade

sábado, 31 de março de 2018

contemplação

do acompanhamento
da movimentação
do esvaziamento
do coração

quinta-feira, 29 de março de 2018

esquecimento

enquanto você pára e espera
eu ando, invado
eu abro a porta e entro

enquanto você cala quieta
eu brigo, eu falo
eu berro, eu enfrento

no canto dessa sala emperra
eu ligo, acerto
eu erro e eu tento

enquanto você fala: "espera"
aflito eu fico
e digo: "eu não entendo"

(...)

no banco sem guitarra elétrica
com violão
escrevo esse lamento

pois como molha a água a pedra
meu canto encerra
o seu esquecimento


(Skank)

quinta-feira, 22 de março de 2018

aquarela

(...)

e o futuro é uma astronave que tentamos pilotar
não tem tempo, nem piedade, nem tem hora de chegar

sem pedir licença, muda nossa vida
e depois convida a rir ou chorar

nessa estrada não nos cabe conhecer ou ver o que virá
o fim dela ninguém sabe bem ao certo onde vai dar

vamos todos numa linda passarela
de uma aquarela que, um dia, enfim

descolorirá

(Toquinho)

sexta-feira, 16 de março de 2018

da dor e da vida

hoje
as estruturas se esvaem
as ruínas riem da sua cara
a saudade se transforma em base
e os objetos passam a ser a verdade [da sua dor]

amanhã
a saudade se esvairá
as ruínas vão se transformar em base
os objetos vão parar de rir da sua cara
e as estruturas vão passar a ser a verdade [da sua vida]